Foto de Adriano Fagundes/ Giulia Gam e Thiago Lacerda

REPERTÓRIO SHAKESPEARE:
‘MACBETH’ e ‘MEDIDA POR MEDIDA’

 

Em Belo Horizonte, o Teatro em Movimento, com o patrocínio do Itaú, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, apresenta a pré-estreia nacional do Repertório Shakespeare: “Macbeth” e “Medida por Medida”

 

Espetáculos compartilham de mesmo elenco de 14 atores, para interpretar dois dos mais aclamados textos de Shakespeare, com direção e concepção de Ron Daniels. Montagens ficam em cartaz no Cine Theatro Brasil Vallourec nos dias 29 e 31 de outubro e 1º de novembro

 

Thiago Lacerda e Giulia Gam vivem Macbeth e Lady Macbeth
Marco Antônio Pâmio e Luisa Thiré protagonizam
Medida por Medida

 

Três anos após encenar a elogiada versão de Hamlet, com Thiago Lacerda, que também passou pelo Teatro em Movimento, Ron Daniels, brasileiro, radicado em Nova York, e um dos principais diretores teatrais da britânica Royal Shakespeare Company de Stratford-upon-Avon, está de volta ao País para levar aos palcos duas novas montagens do repertório do bardo inglês: A tragédia “Macbeth” e a comédia “Medida por Medida”. Escritas no fim do século XVI, entre 1603 e 1607, ambas as peças falam do poder, da corrupção e dos dilemas éticos e morais nas esferas pública e privada, mas em tratamentos e estruturas distintas. 

 

 

Os espetáculos terão a estréia oficial na capital paulista em novembro, numa realização do Sesc São Paulo. Anteriormente, o público mineiro terá o privilégio de assistir a pré-estreia nacional, em Belo Horizonte, dentro da programação do projeto Teatro em Movimento, realizado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com o patrocínio do Itaú. As apresentações ocorrem no Cine Theatro Brasil Vallourec, nos dias 29 e 31 de outubro e 1º de novembro, quinta e sábado, às 21h e domingo, às 19h.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                       Foto de Adriano Fagundes/Luisa Thiré e Marco Antônio Pâmio

 

“Macbeth é um concerto de dois instrumentos humanos

e Medida por Medida é uma sinfonia urbana.”

Ron Daniels

 

 

"Vamos ver se o poder muda com os homens ou os homens com o poder."

                                                                                    O Duque, em Medida for Medida

 

Com o mesmo elenco de 14 atores - Ana Kutner, André Hendges, Fábio Takeo,  Felipe Martins, Giulia Gam, Lourival Prudêncio, Lui  Vizotto, Luisa Thiré, Marco Antônio Pâmio, Marcos Suchara, Rafael Losso, Stella de Paula,  Sylvio Zilber e Thiago Lacerda - as duas peças estarão em cartaz na mesma temporada em revezamento de dias e horários. Os atores também se revezam nos personagens; os protagonistas de uma peça interpretam os segundos papéis na outra, dando ao público a oportunidade de apreciar a versatilidade dos atores em papéis diferentes, no exercício do jogo cênico, em dias alternados.

 

A atriz Giulia Gam, por exemplo, interpreta Lady Macbeth e também a Sra. Bem-passada, uma mulher de bordel, em “Medida por Medida”. Já Thiago Lacerda fará Macbeth, o herói de guerra que se transforma em um assassino inescrupuloso e bestial, e o conselheiro moralista Angelo em “Medida por  Medida”. Marco Antônio Pâmio e Luisa Thiré protagonizam “Medida por Medida”; o ator será Macduff em “Macbeth” e o Duque em “Medida por Medida”, ao lado da atriz que interpreta Isabella, em “Medida por Medida” e Lady Macduff, em “Macbeth”.

 

Desde julho de 2015, Daniels está no Rio de Janeiro e até a estreia pretende concluir a maratona de mais de 800 horas de ensaios. O diretor também foi responsável pela fundação do Teatro Oficina, ao lado de José Celso Martinez Corrêa e Renato Borghi, dirigiu Rei Lear, em 2000, protagonizado pelo ator Raul Cortez e ao todo contabiliza 41ª encenações de Shakespeare, entre montagens nacionais e internacionais.  “Nos reunimos para este projeto artístico em torno da montagem das obras de Shakespeare no Brasil,  uma continuidade natural do trabalho iniciado em  “Hamlet”, com novos atores de escolas e realidades diferentes que se juntam ao núcleo anterior vindo do elenco do “Hamlet”. Parece até que formamos uma companhia teatral!”, explica Daniels.

 

De Belo Horizonte, a peça segue para O Sesc Vila Mariana, em São Paulo para 44 apresentações - de 05 de novembro a 31 de janeiro, com intervalo para o recesso de fim de ano, de 21/12 a 06/01/2016. Depois segue para o Rio de Janeiro.

 

 

Macbeth & Medida por Medida

 

Escritas no fim do século XVI, entre 1603 e 1607, ambas as peças falam do poder, da corrupção e dos dilemas éticos e morais nas esferas pública e privada, mas em tratamentos e estruturas distintas.

 

Em “Macbeth”, no caos da guerra, o mundo é um campo de batalha. Mas Shakespeare pergunta de onde vem o mal? Em que canto do ser humano se encontra o germe de uma ambição tão desenfreada que nos leva a matar? E como lidar com a consciência quando o sangue derramado exige cada vez mais sangue, e aos assassinos não é mais permitido um momento de sono, um instante de quietude ou repouso? Com o crime e a culpa, morre também o amor?

 

Referente ao texto, Ron Daniels diz: “Posições radicais não são posições humanas. Uma posição fundamentalista é antagônica à própria vida, ela não leva em consideração todas as contradições humanas.”

 

Por outro lado, em “Medida por Medida”, agora no caos da paz, o mundo se transformou em um bordel. E a pergunta que o autor nos faz é se somos seres tão falíveis, se não nos conhecemos a nós mesmos, como podemos julgar uns aos outros? Este é um mundo povoado por homens de grande poder e também por padres e freiras, por prostitutas e cafetões, por bêbados e arruaceiros, gente alegre e simples que leva a vida nas ruas, nos conventos, nos bordéis e nas prisões da cidade. Um mundo onde o amor surge de forma inesperada e triunfa finalmente sobre o puritanismo e a libertinagem. Aqui, Ron Daniels deixa a pergunta: “Podemos controlar a anarquia do mundo?”

 

“Na tragédia “Macbeth” há uma velocidade vertiginosa na qual um herói se transforma em um monstro assassino, já a comédia política “Medida por Medida” é mais solta, mais anárquica, um redemoinho urbano em que figuram personagens da rua, dos bordeis, da sarjeta”, acrescenta Daniels.

 

As duas montagens foram concebidas e dirigidas pelo diretor Ron Daniels, também responsável pelas traduções dos textos com Marcos Daud. A idealização é dele ao lado de Thiago Lacerda. A curadoria Artística é de Ruy Cortez e a direção de produção de Erica Teodoro.

 

 

SINOPSES

 

 MACBETH

Macbeth, um general corajoso, ao voltar triunfante da guerra, encontra três criaturas misteriosas, videntes que lhe fazem a seguinte profecia: Macbeth será rei, em um futuro próximo. A ambiciosa Lady Macbeth, esposa de Macbeth, ao ficar sabendo da profecia, instiga seu marido a matar Duncan, o atual rei.Quando o crime é descoberto, os filhos de Duncan, Malcolm e Donalbain, sentindo-se ameaçados, resolvem fugir e Macbeth é coroado.

 

MEDIDA POR MEDIDA 

Alarmado com a imoralidade e a corrupção que tomaram conta de sua cidade, o Duque resolve reintroduzir uma antiga lei que pune todo e qualquer abuso sexual com a morte. Contudo, ele deixa que a lei seja implementada por seu vice, Ângelo, a quem transfere o poder por um período, enquanto ele se disfarça de frei para observar tudo à distância.

 

 

Três perguntas para Ron Daniels:

 

Por que a escolha das duas peças e há pontos de convergência entre elas?

Ron Daniels - “Macbeth” e “Medida por Medida” são peças que refletem sobre como nós lidamos com o nosso amor, nossa vida e nosso medo da morte, e também como exercemos o poder e governança. São duas peças sensacionais, com uma dramaturgia vigorosa e cheia de vitalidade, com narrativas que abrangem tanto a ação quanto a metafísica, e que são capazes de proporcionar um verdadeiro gozo de teatro.

 

Uma curiosidade: muita gente de teatro teme dizer a palavra Macbeth! Dizem que traz o mau olhado, a má sorte. Marcos Daud, por exemplo, um dos tradutores, sempre se refere à peça como "A escocêsa", ao próprio Macbeth como "o dito cujo" e à Lady Macbeth simplesmente como "a Lady". Talvez isso seja porque a peça exige um mergulho na escuridão terrível da mente de um criminoso e isso pode criar um grande mal-estar no elenco.

 

Mas ao ensaiar o Macbeth ao lado do “Medida por Medida”, uma peça deliciosa e cheia de vida e alegria, que não termina com a morte dos protagonistas, mas sim com a felicidade e o casamento, esse mal estar nunca se realiza. Pelo contrário, o bom humor, o riso, o bem-estar parecem estar sempre presentes na sala de ensaio.

 

Por isso espero também que o público venha ver as duas peças lado a lado - o nosso Repertório Shakespeare - para que ele possa se aprofundar tanto em duas das mais importantes obras primas do teatro mundial, como para compartilhar conosco deste gostoso bem-estar.

 

Como fazer uma montagem de Shakespeare que seja brasileira sem ser folclórica?

Ron Daniels - O teatro do Shakespeare me parece ser algo muito mais perigoso, subversivo, muito mais intelectual e emocionalmente muscular, desafiador, do que folclórico e bonito. Entendo suas peças como algo que não seja precioso, algo que seja direto, que qualquer um possa entender com grande clareza, não apenas a narrativa, mas todas as palavras, como se fossem palavras faladas na rua. Vamos procurar uma linguagem popular. Não uma linguagem erudita, elitista. Só assim chegaremos a algo completamente contemporâneo, um teatro cheio de paixão, com uma audácia feita com o coração, com um calor imediato - este, a meu ver, é o teatro do Shakespeare, em qualquer linguagem.

 

Sempre falamos de levar o teatro para a rua....mas que tal levarmos a rua para o teatro? Esse é o nosso ponto de partida.

 

 

A realidade política brasileira entra em cena?

Ron Daniels - Certamente. Mas Shakespeare não escreveu nenhuma peça sobre seu próprio tempo.  Ele sempre criava um sonho, uma fantasia, longe da sua terra natal. As suas peças se situam em lugares a que ele nunca foi, em tempos antigos que ele não conheceu. E Shakespeare não procura mudar o mundo, por pior que este mundo seja. Ele não está à procura de soluções. Ele apenas nos faz olhar profunda e rigorosamente a nós mesmos, às nossas contradições, e nos dá, assim, uma visão das infinitas possibilidades humanas.

 

 

FICHA TÉCNICA
Texto: William Shakespeare /  Tradução: Marcos Daud e Ron Daniels / Concepção e Direção: Ron Daniels / Curadoria Artística: Ruy Cortez / Instalação cênica | Painéis: Alexandre Orion / Instalação cênica | Cenografia: André Cortez / Figurinos: Bia Salgado / Desenho de Luz: Fábio Retti / Composição e trilha original: Gregory Slivar / Diretor assistente: Gustavo Wabner / Preparação corporal e direção de movimento: Sueli Guerra / Coordenador de ação: Dirceu Souza /  Visagismo: Westerley Dornellas / Preparação vocal: Lui Vizotto / Preparação de luta: Rafael Losso /  Cenotécnica: Fernando Brettas | Onozone Studio /Figurinistas assistentes: Alice Salgado e Paulo Barbosa / Indumentária e adereços: Alex Grilli e Ivete Dibo / Costureiras: Francisca Lima Gomes e Marenice Candido de Alcantara / Camareiros: Diro Faria, Renato Valente e Regina Sacramento / Projeto de sonorização: Kako Guirado /Operador de som: Renato Garcia / Operadora de luz: Kuka Batista / Diretor de palco: Ricardo Bessa /Edição de texto: Valmir Santos / Foto de cena: João Caldas / Foto do processo | Still: Adriano Fagundes / Design Gráfico: 6D / Relações institucionais: Guilherme Marques e Rafael Steinhauser / Administração: Flandia Mattar / Assistente administrativa: Mara Lincoln /  Assistência de produção: Claudia Burbulhan, Diego Bittencourt, Marcele Nogueira e Paulo Franco / Produção Executiva: Luísa Barros  / Direção de Produção: Érica Teodoro / Produção: CIT-Ecum, TRL e Pentâmetro / Realização: Sesc SP / Produção em Belo Horizonte: Rubim Produções / Realização em Belo Horizonte: Teatro em Movimento, com patrocínio do Itaú, com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura.


 

Elenco I Personagens

Thiago Lacerda: Angelo (Medida por Medida), Macbeth (Macbeth)

Giulia Gam: A Sra. Bem-passada (Medida por Medida), Lady Macbeth

Marco Antônio Pâmio: Duque (Medida por Medida), Macduff (Macbeth)

Luisa Thiré: Isabella (Medida por Medida), Lady Macduff (Macbeth)

Sylvio Zilber: Éscalo (Medida por Medida), Duncan e Velho Seward (Macbeth)

Marcos Suchara: Lucio (Medida por Medida), Banquo (Macbeth)

Lourival Prudêncio: Pompeu (Medida por Medida), Sargento, Porteiro e Doutor (Macbeth)

Felipe Martins: Cotovelo e Barnabé (Medida por Medida), Feiticeira, Mensageiro, Assassino (Macbeth)                                                                                  

Ana Kutner: Mariana, Freira (Medida por Medida), Feiticeira, Enfermeira (Macbeth)

Rafael Losso: Claudio (Medida por Medida), Malcolm (Macbeth)

André Hendges: Superintendente (Medida por Medida), Ross e Oficial (Macbeth)

Fabio Takeo: Frei Thomas, Guarda + Franchão (Medida por Medida), Lennox (Macbeth)

Stella de Paula: Julieta (Medida por Medida), Feiticeira, Fleance e Mensageiro Branquela (Macbeth)

Lui Vizotto: Lelé, Guarda, Frei Pedro (Medida por Medida), Donalbain, Assassinos, filho de Macduff (Macbeth)

 

 

SERVIÇO:

 

Serviço: “Repertório Shakespeare”

 

“Macbeth”

Classificação: 14 anos - Duração: 100 minutos - Gênero: Drama

Dias /horários: 29 de outubro e 1º de novembro, quinta às 21h e domingo às 19h

“Medida por Medida”

Classificação: 14 anos / Duração: 110 minutos / Gênero: comédia política

Dia/horário: 31 de outubro, sábado às 21h

 

Local: Cine Theatro Brasil Vallourec – Av. Amazonas, 315 - Centro

Informações: 31 3201 5211 - www.teatroemmovimento.art.br

 

 

Ingressos: Plateia IA: 70,00 R$  / Plateia IB: R$60,00 / Plateia II: R$ 50,00

Vendas: bilheteria do teatro  - www.compreingressos.com

Meia entrada válida para: maiores de 60 anos. E para estudantes devidamente identificado, válida até 40% dos ingressos vendáveis do teatro (conforme DECRETO nº 8.537, de 05 de outubro de 2015).

20% da capacidade vendável do teatro tem o valor de R$ 50,00 em atendimento ao Vale Cultura.

 

 

Informações para a imprensa:

Jozane Faleiro - (31) 35676714 / 92046367 - contato@jozanefaleiro.com

 

 

Teatro em Movimento

 

O projeto Teatro em Movimento, coordenado pela Rubim Produções, de Tatyana Rubim, foi criado há 14 anos, com o objetivo de descentralizar o acesso às grandes montagens do eixo Rio-São Paulo, promovendo a circulação dos mesmos para outros Estados e também pequenas cidades. Desde então, contabiliza 174 montagens, que somam mais de 503 apresentações, envolvendo cerca de 537 artistas, em 14 cidades, 27 teatros e público superior a 365 mil pessoas.

 

Inicialmente, atuando em Minas Gerais e seu entorno, o projeto trouxe à capital mineira e algumas cidades do interior, espetáculos com peso nacional, tendo no elenco atores como Bibi Ferreira, Thiago Lacerda, Vladimir Brichta, Cissa Guimarães, Mateus Solano, Glória Menezes, Antônio Fagundes, Nicete Bruno, Paulo Goulart, Marco Nanini, Luana Piovani, Lilia Cabral, Rodrigo Lombardi, Cláudia Raia, Marisa Orth, Renata Sorrah, Paulo Gustavo e muitos outros.  Dentre os espetáculos que o projeto deslocou para a capital mineira estão “Hamlet”, “Incêndios”, “Esta Criança”, “Gonzagão – a Lenda”, “Bibi Ferreira – Histórias e Canções”, “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf”, “O Grande Circo Místico”, “New York, New York”, “Bem-vindo, Estranho”, “Milton Nascimento – Nada Será Como Antes”, “Cassia Eller – o Musical”, “Azul Resplendor”, “Poema Bar” e muitos outros.

 

O projeto também já atuou em diversos Estados brasileiros, como São Luiz (MA), Vitória (ES) e Aracajú (SE).  Em Minas Gerais, além de Belo Horizonte, o projeto atua em Nova Lima, Betim e Araxá. Os resultados do projeto vão além da inclusão das cidades na circulação das montagens. A iniciativa possibilita a formação de um espectador mais crítico e de um público mais preparado e habituado a lotar as salas dos teatros. A ideia é consolidar o hábito de ir ao teatro e fomentar a cultura das artes cênicas, por isso os espetáculos acontecem ao longo do ano e não concentrados em um curto período como nos festivais. O teatro, sendo um agente de transformação social, é capaz de atuar como um difusor de ideias e de cultura podendo ser usado como um instrumento de comunicação. Para ratificar a potencialidade de transformação social e cultural do teatro e colocar em prática os objetivos do projeto, o Teatro em Movimento ainda promove, sempre que possível, oficinas gratuitas, palestras e workshops para profissionais da área e interessados. Dessa forma, cria-se uma rede de circulação de informação fortalecendo a possibilidade de sustentabilidade do setor cultural.

 

Meia entrada válida para: maiores de 60 anos. E para estudantes devidamente identificado, válida até 40% dos ingressos vendáveis do teatro (conforme DECRETO nº 8.537, de 05 de outubro de 2015).

20% da capacidade vendável do teatro tem o valor de R$ 50,00 em atendimento ao Vale Cultura.