“LÁGRIMAS DE GUARDA-CHUVA”, DE EID RIBEIRO, TERÁ DUAS APRESENTAÇÕES EM BH, DIAS 7 E 8 DE ABRIL, NO TEATRO DE BOLSO DO SESC PALLADIUM
MUSICAL INFANTIL “O TUBARÃO MARTELO E OS HABITANTES DO FUNDO DO MAR” FAZ ÚNICA  APRESENTAÇÃO NO DIA 11 DE MARÇO, NO TEATRO BRADESCO, EM BH

Sob a direção de Danilo Alencar, espetáculo apresenta elementos do circo, da mágica, da metalinguagem, do clown e do grotesco

 

 

O Grupo de Teatro Arte & Fatos (1988), da PUC Goiás, chega a Belo Horizonte para encenar “Lágrimas de Guarda-Chuva”, texto do mineiro Eid Ribeiro, com direção de Danilo Alencar.  Com 14 montagens e mais de 150 prêmios, o grupo goiano completa 30 anos de carreira apresentando a circulação que passa por Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal. A turnê tem o apoio Institucional do Fundo de Arte e Cultura do estado de Goiás. No palco, seis personagens apresentam elementos que se comunicam na perspectiva do absurdo e tentam um diálogo mais franco com o público, por meio de técnicas de circo, de mágica, de metalinguagem, do clown e do grotesco. “Lágrimas de Guarda-Chuva traz à tona as relações humanas vistas pelo prisma do mundo contemporâneo: o medo, a solidão, o egocentrismo, o absurdo. Muitas vezes estabelecido entre quem detém o domínio sobre o dominado. O espetáculo adentra o universo circense, com propostas claunescas, malabares e mágicas. Estes elementos se juntam a outros, trazendo ao público uma reflexão sobre a arte que queremos fazer”, detalha o diretor.

 

As apresentações serão nos dias 7 e 8 de abril: sábado, às 20h; e domingo, às 19h, no Teatro de Bolso do Sesc Palladium. Ingressos já estão à venda a R$ 10,00 (inteira).

 

Danilo Alencar encontrou na dramaturgia de Eid Ribeiro indicações que pudessem trazer ao espectador uma releitura da conjuntura do teatro contemporâneo. “Mirei nos trabalhos que venho desenvolvendo ao longo desses anos para questionar o perigoso e desafiador caminho que escolhi, nessa árdua tarefa do fazer artístico”, contextualiza.

 

Em cena, os personagens Sansão (Bruno Peixoto), Zambê e Angellina (Rita Alves), Camelo (Leopoldo Rodriguez), Sebastião (André Larô), Serafim (Caco Rodigues) e Severino (Norval Berbari) se encontram em uma praça de uma cidade deserta, em que seus moradores sucumbiram ao mal da cólera. Sansão, um mágico decadente, insiste nos repetidos números artísticos – como transformar Angelina em Zambê, a mulher macaco. Há uma incógnita na relação dos dois: ao mesmo tempo Angelina parece ser secretária, amante, às vezes filha. Após horas insistindo em chamar a atenção de algum morador do solitário lugar, ambos percebem terem caído numa cidade fantasma. São surpreendidos por três cegos, que no acaso do destino, cruzam seus caminhos. A partir desse encontro há um embate que conduz a trama a um jogo de interesses entre o amor, o sexo, o dinheiro, a ambição, a cobiça, o medo, a solidão. Carmelo, sobrevivente da trágica cólera, testemunha o embate entre as respectivas personagens. Sua presença muda o jogo e suas regras.

 

SINOPSE

 

“Lágrimas de Guarda-Chuva” traz à tona as relações humanas vistas pelo prisma do mundo Contemporâneo: o medo, a solidão, o egocentrismo e o absurdo. Muitas vezes estabelecido entre quem detém o domínio sobre o dominado. O espetáculo adentra o universo circense, com propostas claunescas, malabares e mágicas. Estes elementos se juntam a outros, trazendo ao público uma reflexão sobre a arte que queremos fazer.

 

FICHA TÉCNICA

Direção: Danilo Alencar / Dramaturgia: Eid Ribeiro / Produção: Maressa Stephany (NósDuas Produções) / Maquiagem: Franco Pimentel / Sonotécnica: Eduardo Babugem / Iluminação: Roosevelt Saavedra / Trilha sonora original: Sarah Alencar, Danilo Sene e Tomáz Bastos | Letra: Danilo Alencar /Cenário: Danilo Alencar e Boneca Wal / Ilusionismo: Tom Astro / Fonoaudióloga: Christina Guedes / Figurino: Caroline Albuquerque / Camila Witkowski / Adereços: Tainara Caiuá / Taynara Borges / Pedro Arthur Crivello / Linguagem Clownesca: José Regino / ELENCO:  / Bruno Peixoto: Sansão / Rita Alves: Zambê / Angellina / Leopoldo Rodriguez: Carmelo / André Larô: Sebastião / Caco Rodigues: Serafim Norval Berbari: Severino

 

 

SERVIÇO:

ESPETÁCULO “LÁGRIMAS DE GUARDA-CHUVA”

Categoria: Adulto | Tragicomédia / Classificação: 14 anos

Duração: 70 min

Data/Horário: 7 de abril (sábado), às 20h / 8 de abril (domingo), às 19h

Local: Teatro de Bolso do Sesc Palladium – Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro / BH

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada)

Mais informações: (31) 3270-8100

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Luz Comunicação :: www.luzcomunicacao.com.br

 

Coordenação | Jozane Faleiro – 31 99204-6367 jozane@luzcomunicacao.com.br

Atendimento | Letícia Bessa – 31 99793-2491 imprensa@luzcomunicacao.com.br 

SOBRE O GRUPO ARTE & FATOS

 

O Grupo de Teatro Arte & Fatos foi fundado em 1988, pelo diretor Danilo Alencar, fazendo parte do Programa Cultural da Universidade Católica de Goiás – hoje, Coordenação de Arte e Cultura da PUC Goiás; que tinha como pesquisa montagens que retratassem fatos históricos. Atualmente, o grupo ainda mantém em algumas de suas montagens textos que possuam esta linha de trabalho, mas independentemente do tema escolhido e abordado, o grupo se dedica constantemente à pesquisa sobre o trabalho do ator e o estudo das diversas formas e possibilidades do fazer teatral. Desde sua fundação, o grupo vem participando de apresentações em Festivais, Mostras e Temporadas em diversas cidades do país, sendo premiado em muitos deles.

 

Principais montagens:

* 1988 – “Nos Trilhos da História” – a Desagregação do Sistema Primitivo, com adaptações dos textos de Marx e Engels.

* 1989 – “Liberté, Uai” – no Bicentenário da Revolução Francesa e Centenário da Inconfidência Mineira.

* 1990 até 1995 – “Sob o Sol de Canudos” – no Centenário do Movimento de Canudos.

* 1995 – 1ª montagem de Herdeiros de Zumbi.

* 1997 – “Anjos Poetas” – Um Tributo aos 150 anos da morte de Castro Alves.

* 2000 – “Opereta do Cerrado” – para a inauguração do Memorial do cerrado da Universidade Católica de Goiás.

* 2002 – “Toca Mariles!” Uma História da Ditadura Militar.

* 2003 – “A Aurora da Minha Vida” de Naum Alves de Souza

* 2004 – “A Clara do Ovo” de Danilo Alencar

* 2006 – “Balada de um Palhaço” de Plínio Marcos

* 2011 – “Ser Tão Grande” de Danilo Alencar

* 2014 “Travesseiro” de Danilo Alencar

* 2015 – “Os Avessos” de Danilo Alencar