Teatro em Movimento, Oi e Oi Futuro  apresentam “Depois do 

Ensaio”, de Ingmar Bergman

 

Espetáculo inédito no Brasil, tem direção de Mônica Guimarães e elenco formado por Leopoldo Pacheco, Malu Bierrembach e Sophia Reis. Montagem é um mergulho nos bastidores do teatro e dos profissionais que se dedicam à arte da interpretação. De 15 a 17 de junho, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna

 

 

O Teatro em Movimento, com o patrocínio da Oi, traz a Belo Horizonte o espetáculo “Depois do Ensaio”, texto de Ingmar Bergman (1918‐2007), dramaturgo e diretor de cinema e teatro, considerado um dos mais importantes artistas do século 20. Inédito no Brasil, o texto foi traduzido diretamente do sueco por Amir Labaki e Humberto Saccomandi para esse projeto idealizado pela diretora Mônica Guimarães. A peça é estrelada por Leopoldo Pacheco, Malu Bierrembach e Sophia Reis e conta com o selo oficial da Ingmar Bergman Foundation. Espetáculo tem três apresentações no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, de 15 a 17 de junho, segunda a quarta-feira. 

“Depois do Ensaio” foi escrito em 1980, tornando-se um filme para televisão dirigido por Bergman, quatro anos mais tarde. Segundo o crítico e realizador sueco Stig Bjorkman, um dos principais interlocutores e amigos de Bergman, o texto trata daquilo que para ele é a essência mesmo do papel de diretor, de seu ponto de vista sobre o teatro e sobre o jogo teatral.

 

Sobre o texto, Bergman dizia que tinha muito a ver com “minha atitude, minha relação com a arte teatral, com este ofício bagunçado, sombrio e cruel”. E explicou: “Enquanto eu escrevia, devo ter atingido um nervo ferido ou, se quiser, um veio subterrâneo de água. Do meu inconsciente, surgiram estranhos cipós retorcidos e ervas daninhas; tudo se transformou no mingau de uma bruxa. De repente, surge a amante do diretor, que é a mãe da jovem atriz. Ela morreu há anos, e ainda assim ela entra no jogo. No palco escuro, vazio do teatro, durante a hora tranquila, entre quatro e cinco horas da tarde, muito pode voltar para assombrá-lo. O resultado desta mistura é uma obra de televisão dramática que trata da vida no teatro”.

 

Sinopse

 

Henrik Vogler (Leopoldo Pacheco), um diretor de teatro experiente e perfeccionista, ensaia a peça O SONHO,  de August Strindberg. Depois de uma tarde de trabalho, Vogler está em um “quase cochilo" no palco quando volta ao teatro sua jovem protagonista, Anna (Sophia Reis), com a desculpa de procurar uma pulseira perdida. Durante o que seria uma conversa casual, surge uma avalanche de revelações pessoais. Inseguranças, quereres, desamores vão transformando o texto em obra confessional. Em uma licença poética, ou num devaneio, ou mesmo em um sonho, entra em cena Raquel (Denise Weinberg), mãe de Anna, que em outros tempos interpretou o papel que hoje é da filha. O que houve naquela época? Por que Raquel volta no devaneio de Vogler? Foi um amor? Houve algo que parece se repete agora na figura de Anna. Coisas de sonho. Coisas de teatro...

 

A Montagem

 

Ingmar Bergman (1918‐2007), dramaturgo e diretor de cinema e teatro, mais conhecido no Brasil por filmes como “Morangos Silvestres” e “Fanny e Alexander”, foi antes de tudo um homem de teatro. “Depois do Ensaio”, uma das últimas obras escritas e filmadas pessoalmente por ele, é seu testamento sobre mais de meio século de devoção ao palco. A peça é seu íntimo mergulho nos bastidores do teatro e no cotidiano daqueles que dia a dia dedicam‐se a ele.

 

Para a diretora Mônica Guimarães, “Depois do Ensaio” é uma oportunidade de refletir a própria profissão. E, nesta reflexão sobre nosso ofício, revisitar as relações profissionais e as do quintal da sua própria casa,  exatamente como Vogler, o diretor, o faz na peça e como Bergman insiste em sua obra - uma miscelânea de pensamentos, situações e reacessos das entranhas da sua própria vida. O texto é, sobretudo, uma celebração ao cinema e ao teatro”.

 

 

A Direção

 

Mônica Guimarães - Formada no Teatro Escola Macunaíma. Foi assistente e atriz de Myriam Muniz em diversas montagens. Idealizadora desse projeto, é atriz, diretora, produtora e professora. Deu aula no Teatro Escola Macunaíma e Teatro-Escola Célia Helena. Atuou em diversos espetáculos como “Eras”, uma trilogia de Heiner Muller sob direção de Marcio Aurelio; “Nijinsky”, de Naum Alves de Souza; “Atiag”, de Celso Frateschi; “Prova Contrária”, de Fernando Bonassi, com direção de Débora Dubois; e “Lenya”, de Amir Labaki, sob a direção de Regina Galdino. É produtora executiva do “É tudo verdade – Festival Internacional de Documentários”, desde 2004.

 

Ficha técnica

 

Direção: Mônica Guimarães / Elenco: Leopoldo Pacheco, Malu Bierrembach e Sophia Reis/ Tradução: Amir Labaki e Humberto Saccomandi / Música Original:  Marcelo Pelegrini / Cenário: Marco Lima / Iluminação: Wagner Freire / Figurinos: Carol Badra / Assistente de Direção e Produção: Pitxo Falconi / Produtores Associados: Amir Labaki e Mônica Guimarães / Realização em Belo Horizonte: Teatro e Movimento e Oi Futuro / Produção local BH: Rubim Produções

 

SERVIÇO:
“Depois do Ensaio”
Duração: 75 minutos/ Gênero: Drama / Classificação: 14 anos

Dias/ Horários: 15 a 17 de junho - segunda a quarta – às 20h

Local: Teatro Oi Futuro Klauss Viana - Av. Afonso Penna, 4001 - Mangabeiras /BH

Ingressos na bilheteria do teatro: R$ 30,00 inteira - R$ 15,00 meia entrada 

Meia entrada válida para maiores de 60 anos e para estudantes devidamente identificados (conforme MP 2208/2001)

Informações: (31)  32292979 – sites: www.teatroemmovimento.art.br /

 

Informações para a imprensa:

Jozane Faleiro - (31) 35676714 / 92046367 / 88280906 - 

jozane@luzcomunicacao.com.br

 

Teatro em Movimento

O projeto Teatro em Movimento, coordenado pela Rubim Produções, de Tatyana Rubim, foi criado há 14 anos, com o objetivo de descentralizar o acesso às grandes montagens do eixo Rio-São Paulo, promovendo a circulação dos mesmos para outros Estados e também pequenas cidades. Desde então, contabiliza 175 montagens, que somam mais de 507 apresentações, envolvendo cerca de 537 artistas, em 14 cidades, 27 teatros e público superior a 365 mil pessoas. 

Inicialmente, atuando em Minas Gerais e seu entorno, o projeto trouxe à capital mineira e algumas cidades do interior, espetáculos com peso nacional, tendo no elenco atores como Bibi Ferreira, Thiago Lacerda, Vladimir Brichta, Cissa Guimarães, Mateus Solano, Glória Menezes, Antônio Fagundes, Nicete Bruno, Paulo Goulart, Marco Nanini, Luana Piovani, Lilia Cabral, Rodrigo Lombardi, Cláudia Raia, Marisa Orth, Renata Sorrah, Paulo Gustavo e muitos outros.  Dentre os espetáculos que o projeto deslocou para a capital mineira estão “Hamlet”, “Incêndios”, “Esta Criança”, “Gonzagão – a Lenda”, “Bibi Ferreira – Histórias e Canções”, “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf”, “O Grande Circo Místico”, “New York, New York”, “Bem-vindo, Estranho”, “Milton Nascimento – Nada Será Como Antes”, “Cassia Eller – o Musical”, “Azul Resplendor”, “Poema Bar” e muitos outros. 

O projeto também já atuou em diversos Estados brasileiros, como São Luiz (MA), Vitória (ES) e Aracajú (SE).  Em Minas Gerais, além de Belo Horizonte, o projeto atua em Nova Lima, Betim e Araxá. Os resultados do projeto vão além da inclusão das cidades na circulação das montagens. A iniciativa possibilita a formação de um espectador mais crítico e de um público mais preparado e habituado a lotar as salas dos teatros. A ideia é consolidar o hábito de ir ao teatro e fomentar a cultura das artes cênicas, por isso os espetáculos acontecem ao longo do ano e não concentrados em um curto período como nos festivais. O teatro, sendo um agente de transformação social, é capaz de atuar como um difusor de ideias e de cultura podendo ser usado como um instrumento de comunicação. Para ratificar a potencialidade de transformação social e cultural do teatro e colocar em prática os objetivos do projeto, o Teatro em Movimento ainda promove, sempre que possível, oficinas gratuitas, palestras e workshops para profissionais da área e interessados. Dessa forma, cria-se uma rede de circulação de informação fortalecendo a possibilidade de sustentabilidade do setor cultural. 

 

Oi Futuro

O Oi Futuro é o instituto de responsabilidade social da Oi, que emprega novas tecnologias de comunicação e informação no desenvolvimento de projetos de educação, cultura, esporte, meio ambiente e desenvolvimento social. Desde 2001, suas ações visam democratizar o acesso ao conhecimento e reduzir distâncias geográficas e sociais, com especial atenção à população jovem. 

Na educação, os programas NAVE e Oi Kabum! usam as tecnologias da informação e da comunicação, capacitando jovens para profissões na área digital, fornecendo conteúdo pedagógico para a formação de educadores da rede pública, e fomentando o desenvolvimento de modelos inovadores. Já na área cultural, o Oi Futuro mantém dois espaços culturais no Rio de Janeiro (RJ) e um em Belo Horizonte (MG), com programação nacional e internacional de qualidade reconhecida e apreços acessíveis, além do Museu das Telecomunicações nas duas cidades. 

O esporte é apoiado através de projetos aprovados pelas Leis de Incentivo ao Esporte, tendo sido a Oi a primeira companhia de telecomunicações a apostar nos projetos socioeducativos inseridos na Lei Federal. O programa Oi Novos Brasis completa seu escopo de atuação, reafirmando o compromisso do Instituto no campo da sustentabilidade, com o apoio e o desenvolvimento de parcerias com organizações sem fins lucrativos para a viabilização de ideias inovadoras que utilizem a tecnologia da informação e comunicação para acelerar o desenvolvimento humano.