LUÍZA TOMÉ, PRISCILA FANTIN E OLIVIA TORRES EM "ALÉM DO QUE OS NOSSOS OLHOS REGISTRAM"
MUSICAL INFANTIL “O TUBARÃO MARTELO E OS HABITANTES DO FUNDO DO MAR” FAZ ÚNICA  APRESENTAÇÃO NO DIA 11 DE MARÇO, NO TEATRO BRADESCO, EM BH

“Três mulheres, três gerações e seus conflitos. Em comum, fora os laços
sanguíneos, existe o amor que une avô, mãe e neta.”
 “Racismo e homofobia, uma combinação letal.”
“Qualquer tipo de preconceito é como um vício incurável,
a reabilitação precisa ser diária e continua.”
“O que acontece quando o maior preconceito está dentro da própria casa?”

 

 

“Além do que os nossos olhos registram”, espetáculo com Luíza Tomé,
Priscila Fantin e Olívia Torres chega a capital mineira para única apresentação
no dia 13 de abril, sexta, às 21h, no Grande Teatro do Sesc Palladium. Em
cena, três gerações de mulheres, convivendo, se apoiando e enlouquecendo
umas às outras. O texto é de Fernando Duarte, autor de “Callas” e “Depois do
Amor”, ambos dirigidos pela saudosa Marília Pêra, com direção artista de
Fernando Philbert, que assinou a direção de aclamados espetáculos, tais como
“O topo da montanha”, com Lázaro Ramos e Thais Araújo, “O Escândalo de
Felippe Dussack”, com Marcos Caruso, entre outros. A peça estreou no dia 28
de outubro em Porto Alegre e segue em turnê pelo país.

 
O ESPETÁCULO
Delfina (Luíza Tomé) é uma mulher que sempre teve a cabeça livre de
preconceitos. Uma mulher agitada e independente possui uma rotina dinâmica
e cheia de afazeres - alguns mais típicos outros mais peculiares. Uma avó
moderna e articulada. Ela se identifica com os marginalizados e, desde jovem,
luta pelos direitos das “minorias”.


Violeta (Priscila Fantin)  é uma mulher elegante, divertida e ardilosa. Seu lema
de vida é: “Mantenha as aparências e impressione sempre”. Vive um
casamento de fachada que lhe proporciona uma vida confortável. Ela foi
sugada pelo mundo do marido, e possui uma maneira prática e decidida, às
vezes, cínica de resolver os problemas e não raro é ela quem vai sobrepor a
Delfina e a Sofia em termos de sensatez e amadurecimento.


Sofia (Olivia Torres) tem uma relação conflituosa com os pais, e encontra na
avó o apoio não encontrado na relação com a mãe. Seu olhar para o mundo
feminino instalado à sua volta é aguçado e provocador. Ela vive às turras com a
mãe, mas o novo cotidiano intensifica seus laços com a avó. Ao mostrar essa
complicada relação entre mãe, filha e avó o espetáculo consegue expor, de
maneira emocional, as agruras e alegrias do universo feminino.  Não interessa
que você, mulher, não tenha muitas amigas, nem more em uma grande
metrópole, mas você já deu boas gargalhadas com as amigas falando sobre
assuntos corriqueiros, sobre sua vida sexual, já se sentiu insegura em um
relacionamento, já falou sobre o tamanho dos membros masculinos, já contou
suas experiências sexuais, já tentou viver novas experiências, já sonhou com
um príncipe encantado, já gastou mais do que podia em um sapato ou um
vestido dos sonhos.
 
Não é fácil para nenhuma das protagonistas, mas a peça apresenta soluções
interessantes que poderiam ser aplicadas no dia a dia de qualquer um.
 
Sobre o texto
Em 2015, estive em Brasília com o espetáculo “Callas”, outro texto de minha
autoria. Na ocasião, reencontrei uma antiga colega de escola - morei em
Brasília dos dez aos quinze anos e estudei em um colégio público a L2 Norte.
Conversamos bastante e ela me contou sobre a complicada relação com a
mãe. Com dezessete anos, foi expulsa de casa por conta da orientação sexual.
A mãe, muito religiosa, cortou relações com a filha. Foram oito anos assim, elas
só voltaram a se falar quando a mãe ficou gravemente doente, acabou
falecendo em decorrência de um câncer.
 
Resolvi escrever sobre a fragilidade das relações humanas, as relações
familiares, e também, sobre esses preconceitos que andam assombrando a
vida de tanta gente. Conversei com muitas mães, muitas filhas, avós... muitas

histórias e, dois anos depois, temos aqui um texto que fala sobre amor,
desamor, preconceitos. Uma peça para refletir.
 
Foram vinte entrevistas, com mulheres de diferentes classes sociais. Me toca
fundo a luta das mulheres tentando se firmar em um mundo ainda regido pelo
machismo, a luta para tentar proteger seus filhos. A cobrança que elas sofrem
todos os dias. Na peça, são três protagonistas com personalidades diferentes,
mas, com muito em comum. As três tem suas razões e expõem suas opiniões.
Como estão em casa, em família, elas tiram as máscaras e falam o que sentem
sem rodeios.
 
É um olhar masculino sobre o universo feminino.  Lembro-me de alguns relatos
marcantes de algumas mães e filhas.
 
Muitas mães ficam perdidas quando não conseguem controlar suas filhas e,
então, apelam, falando dos sacrifícios que fizeram por elas a vida toda. A filha
se culpa e a relação vira um misto de amor e ódio. Lembro também das
expectativas não correspondidas. Mãe ansiosa e perfeccionista gerando filha
igualmente ansiosa e perfeccionista. A filha não consegue aceitar os próprios
erros e não aprende a lidar com frustrações.
 
 Algumas frases marcantes:
“Um amor e uma cabana, nem em novela mexicana”
“Pena não ter tido filho homem, amam mais as mães e dão menos trabalho”
“Você vai me matar, depois não adianta ficar chorando no pé do caixão”.
“O seu pai que é ótimo, perfeito, eu sou a megera”
“Uma mãe nunca desiste do seu filho”
“Demorou para me libertar da culpa. Toda relação afetiva oscila entre amor e
ódio. Não fico mais culpada por sentir coisas ruins”
“Adolescentes são tão misteriosas”
“Alguém sabe o que aconteceu com a Cinderela depois do casamento? Duvido
que tenha vivido naquele mar de rosas”.
“Fico pensando que todos esses nossos problemas, eles são tão pequenos
diante da possibilidade da morte. Por isso, eu vivo redimensionando todos os
meus problemas, mas a gente não precisa estar doente para ter noção de
prioridade. Não é verdade?”
 
Ficha Técnica:
Texto: Fernando Duarte / Direção: Fernando Philbert / Assistente de direção:
Rodrigo França / Elenco: Luíza Tomé, Priscila Fantin e Olivia Torres /
Iluminação: Vilmar Olos / Cenário: Natália Lana / Visagismo: Walter Lobato /
Fotos: Lucio Luna / Coordenador de projeto: Fernando Duarte / Dir. de
produção: Fabricio Chianello / Realização: Ymbu Entretenimento LTDA
 
Link para imagens em vídeo: http://bit.ly/2FYFPw6

Serviço:
“Além do que os nossos olhos registram”, com Priscila Fantin, Luiza Tomé e
Olivia Torres
Gênero: Comédia Classificação indicativa: 12 anos Duração:  70 min
Dia 13 de abril, sexta-feira, às 21h.
Local: Grande Teatro Sesc Palladium - Av. Augusto de Lima, 420 - Centro
Ingressos:
Plateia I : Inteira: R$ 70,00 / Meia entrada: R$ 35,00
Plateia II: Inteira: R$ 40,00 / Meia entrada: R$ 20,00
Plateia III: Inteira: R$ 20,00 / Meia entrada: R$ 10,00
Informações: (31) 3270-8100

 


INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:
Jozane Faleiro 

jozane@luzcomunicacao.com.br 

31 992046367 - 35676714